Porque eu sou uma só…

Hoje me peguei pensando no quanto eu me envolvo nas questões, dores e alegrias das minhas clientes. E em como eu torço por elas ou fico apreensiva em momentos delicados. Não que me torne a melhor amiga de cada uma (nosso tempo de convivência não deixa espaço para tanto), mas me permito ser levada pelas emoções, por aquelas que registro e também por aquelas que estão escondidas num meio-sorriso durante a sessão.

Já pensei se não me envolvo demais, se não deveria ser mais prática e menos emotiva… mas caramba! Se não fosse assim meu trabalho não seria o mesmo. Se eu não vir e sentir essas emoções, como entregá-las para as famílias? Foto por foto, muita gente por aí faz.

Mas viver dessa forma também tem seu lado complicado: a gente se torna viciado em emoção, e passa a viver em busca das mais genuínas demonstrações de amor. Cada foto precisa ser única. Além de estar constantemente à espera de um feed back do meu trabalho. E os e-mail/mensagens carinhosos de agradecimento se tornam instrumento de criação, tão necessário quanto a máquina fotográfica.

Estou em constante treinamento, tento aprimorar minha técnica e meu olhar em cada trabalho, mas se essa técnica não comover meus clientes, de nada valeu… Isso pode parecer um pouco dramático demais, mas a verdade é que nunca consegui separar quem eu sou do que eu faço. Por isso sempre trabalhei com criação, antes de ser fotógrafa eu já procurava uma profissão em que eu pudesse usar toda minha vida de bagagem, que me permitisse entregar um pouco de mim junto. É assim na publicidade e é assim na fotografia.

Muita gente acredita que não precisa amar o que faz para fazer bem feito. Um emprego é só um emprego e a vida é o que acontece fora desse ambiente. Não acho errado e acredito que pode ser verdade, mas eu nunca consegui isso. E tudo bem… vou continuar me entregando em cada álbum, em cada clique. E nunca vou me acabar, porque eu sei que sempre recebo um pouco de volta. 🙂

Uma foto só para não ser um post apenas de texto rs

Bruna, 5 anos

Era uma vez uma linda princesinha, que eu conheci quando fotografei a sua festinha
de 4 anos… E um ano depois, quase não acreditei em como ela estava diferente! Aquela menininha tímida, que fugia de mim, dessa vez distribuiu sorrisos para câmera e bateu papo comigo. Amei!! rs

Adorei também rever os amiguinhos dela (e reconhecer todos heheh)

Dani, obrigada, de novo, pela confiança! =)

ImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImageImage